Style Sampler

Layout Style

Patterns for Boxed Mode

Backgrounds for Boxed Mode

Todos os campos são obrigatórios

Fechar

Artroscopia de Quadril

  • Home
  • Artroscopia de Quadril
Artroscopia de Quadril
icon
Artroscopia de Quadril

INTRODUÇÃO

artroscopia-de-quadril-01

Este informativo é um guia geral para pacientes, das indicações comuns para a artroscopia do quadril, compreender o que se pode esperar se sofrer a cirurgia, os riscos significativos e informações sobre via de recuperação esperada. Este documento não é por qualquer meio totalmente abrangente, e quaisquer questões particulares devem ser abordados com o seu qualquer meio totalmente abrangente, e quaisquer questões particulares devem ser abordados com o seu cirurgião. Muitos procedimentos de quadril diferentes podem ser realizados por via artroscópica, e de país para país, e cirurgião para cirurgião, haverá variações significativas.

INDICAÇÕES DE ARTROSCOPIA DE QUADRIL

Desde o início do século 20, quando a artroscopia do quadril foi considerada como sendo quase impossível de realizar, o procedimento tem se desenvolvido. Atualmente, existem muitas razões pelas quais um cirurgião pode recomendar a artroscopia do quadril. Alguns destes motivos são os seguintes:

> Para explicar a dor no quadril inexplicável (artroscopia do quadril diagnóstica) > A remoção de corpos livres ou estranhos > Reparação da cartilagem articular danificada

PÓS OPERATÓRIO DE ARTROPLASTIA PACIAL DE QUADRIL CIMENTADA

artroscopia-de-quadril-02

> A remoção ou reparação do labrum acetabular rompido (veja abaixo) > Correção do impacto femoroacetabular (IFA – veja abaixo) > Tratamento dos ligamentos do quadril danificados > Tratamento de infecção articulação do quadril > Inflamação do revestimento do quadril (sinovite) > Investigação de uma artroplastia de quadril (prótese) dolorosa

TALVEZ AS DUAS INDICAÇÕES ATUAIS MAIS COMUNS PARA A ARTROSCOPIA DO QUADRIL INCLUEM A PRESENÇA DE IFA SINTOMÁTICA OU UMA LESÃO LABRAL ACETABULAR, OU AMBOS. ESTES SERÃO ABORDADOS COM MAIS DETALHES AQUI:

1 – Impacto Femoroacetabular (IFA) – IFA é uma condição que afeta a articulação do quadril e é caracterizada pelo contato anormal entre a cabeça femoral (bola no quadril) e da borda do acetábulo (encaixe do quadril), levando a danos a cartilagem articular ou labrais no acetábulo, ou ambos. O labrum é um anel de cartilagem que envolve o acetábulo e é muito parecido com o menisco da articulação do joelho, embora sua função seja diferente. Danos no labrum e / ou cartilagem articular provavelmente causarão dor. Uma anormalidade na forma da

cabeça femoral ou acetábulo, ou ambos, podem causar IFA. Atividades que envolvem movimento de repetição do quadril podem aumentar a frequência desse contato anormal, por exemplo, esportes que envolvem chutes. IFA se apresenta geralmente em três formas: impacto do tipo cam, do tipo pincer e do tipo misto (que envolve tanto cam e pincer). IFA pode afetar todas as faixas etárias a partir dos primeiros anos da adolescência até a vida adulta e está sendo cada vez mais reconhecido como um dos fatores predisponentes para osteoartrose do quadril. Embora a evidência científica ainda seja insuficiente, é sentida por muitos que sem cirurgia de intervenção precoce, há uma alta probabilidade de desenvolver osteoartrose (‘desgaste’), com a exigência posterior para a realização de proteses de quadril. A artroscopia do quadril pode ser usada para remodelar a cabeça femoral, evitando o choque, e visando proteger o quadril de desenvolver osteoartrose, assim como aliviar os sintomas atuais.

2 – Labrum Acetabular – O lábio, o qual rodeia o acetábulo, pode ser parcialmente rompido ou danificado. Com a artroscopia do quadril, o labrum pode ser tanto desbridado (apenas remover o tecido danificado) ou reparado. Ocasionalmente, um labrum também pode ser enxertado. Ressonância magnética e / ou tomografia computadorizada, realizadas antes da cirurgia artroscópica do quadril, nem sempre revelam todas as lesões labrais.

ENTENDA MAIS: O TEMPO DE PERMANÊNCIA NO HOSPITAL

O tempo de permanência depende da complexidade da cirurgia, o estado geral de saúde do paciente no pós operatório, o protocolo de reabilitação utilizado pelo seu cirurgião e outros fatores. É importante consultar o seu cirurgião para obter estas informações. No entanto, em média, um dia de internação é o que presenciamos na prática.

ANESTÉSICO

Sempre optamos, desde que não contra-indicado, associação de anestesia geral e bloqueio regional (raqui anestesia) para termos um ótimo relaxamento do paciente e analgesia pós operatória.

COMO É REALIZADO A ARTROSCOPIA DO QUADRIL

Para que se possa realizar a artroscopia de quadril, precisamos inicialmente de uma mesa de tração, onde o paciente fica deitado em decúbito dorsal (barriga para cima) e um força de tração é aplica nos pés do paciente, previamente protegido por uma bota, abrindo assim a articulação do quadril e permitindo que o cirurgião trabalhe com os instrumentais dentro da articulação. A introdução dos instrumentos é realizada com ajuda de um aparelho de raio-x e são realizados de 2 a 5 cortes na pele, cada um medindo cerca de 5-10mm de comprimento, estabelecendo assim os portais por onde serão colocados os instrumentos. Soro fisiológico é introduzido continuamente na articulação durante toda a realização do procedimento, através de uma bomba de infusão.

Através de um dos portais, uma ótica é utilizada para visualizar o interior da articulação e o espaço articular periférico, enquanto que nos demais portais, inúmeros instrumentos serão utilizados para a realização da cirurgia. Uma observação importante, é que em raros casos, a inserção dos instrumentos e artroscopio não é possível devido a abertura insuficiente do espaço articular. Nestes casos, outras técnicas devem ser utilizadas, como a técnica do outside in, onde o cirurgião é obrigado a fazer a cirurgia de fora para dentro ou então optar por técnica aberta com incisões mais amplas ou até mesmo suspender o procedimento. A duração das cirurgias irão variar de acordo com o problema apresentado, mas pode durar desde 30 minutos até 120 minutos, ou até mesmo mais. Durante a cirurgia, podem ser realizadas outras imagens de raios-x, para confirmar, por exemplo, a adequada remoção de osso.

No final do procedimento, medicações podem ser injetadas no quadril para minimizar a dor após a cirurgia. Os pequenos orifício são fechados com 1-2 pontos cada e realizado um curativo simples sobre as feridas.

APÓS ARTROSCOPIA DO QUADRIL

Normalmente, você pode sentir algum desconforto em seu quadril. Além disso, o desconforto pode ser referido na parte inferior das costas, nádegas, joelho e tornozelo. O desconforto normalmente é reduzido com o uso de medicações adequadas. Na maioria dos casos, haverá algum inchaço e formação de hematomas na virilha, nádega e coxa. Isto é causado pelo fluido utilizado e pelo sangramento durante a cirurgia. O inchaço diminui ao longo dos dias.

É muito importante que você seja acompanhado por um fisioterapeuta após a cirurgia. Exercícios de movimentação do quadril já devem iniciar de imediato, assim como a marcha também é estimulada com ou sem o auxilio de muletas. Isso vai depender das instruções do seu cirurgião. Em algumas circunstâncias, você pode ser orientado para limitar a quantidade de peso que colocará na sua perna operada, enquanto que em outros casos, você pode ser permitido a colocar carga total em sua perna operada imediatamente após a cirurgia. O tempo máximo que pode precisar de muletas é de 6 semanas.

Observe a ferida por quaisquer sinais de infecção (aumento da dor, vermelhidão, calor ou inchaço). Das incisões na pele, às vezes, podem vazar fluído ou sangue em pequena quantidade por alguns dias; isso é normal.

Após uma semana da cirurgia, será agendado um retorno com o seu cirurgião, para avaliar os ferimentos, os quais terão suas suturas removidas entre 7 e 14 dias. Além disso esta consulta irá servir para que o médico avalie os seus movimentos, dor e oriente a suas sessões de fisioterapia. Nesta consulta, você poderá tirar todas suas duvidas, assim como discutir com o médico os detalhes de sua cirurgia. Você receberá orientações sobre a melhor data para um novo retorno.

Seu cirurgião e fisioterapeuta irão desenvolver um programa de reabilitação adequado para você após a cirurgia. Seu fisioterapeuta irá guiar seu retorno às atividades esportivas (corrida etc.), dependendo do seu progresso. Isto é extremamente variável entre indivíduos, dependendo dos resultados cirúrgicos e a duração dos sintomas antes da cirurgia.

Na maioria dos casos, em torno da oitava semanas após a cirurgia, você estará andando relativamente livre de dor. Neste momento de 8 semanas, a corrida pode ser iniciada se esse for o seu desejo. Lembre-se, no entanto, que pode levar de 3 a 6 meses (ou mais) para voltar a um nível de elite de competição. Qualquer aumento inesperado na dor pode ser tratada com compressas de gelo e medicação anti-inflamatória. A ampla estratégia de reabilitação é para recuperar a amplitude dos movimentos articulares, estabilidade, seguido de força e resistência. Retorno ao trabalho dependerá dos níveis de dor e da natureza do seu trabalho.

EXISTEM ALGUMAS ATIVIDADES QUE DEVEM SE EVITADAS ATÉ 8 SEMANAS APÓS A CIRURGIA. ESTAS INCLUEM O SEGUINTE:

> Posição prolongada, especialmente em superfícies duras > Caminhadas Prolongadas > Trabalho pesado > Agachamento > Dormir do lado operado. Tente dormir de barriga para cima. Se você preferir dormir de lado, durma sobre o lado não-operado, com um travesseiro sob sua perna operada, para manter o nível perna com o corpo. > Uso da embreagem em carros manuais (para quadris esquerda) – podem agravar os sintomas nas primeiras semanas e portanto, é melhor evitar. > Sentar-se com flexão dos quadris abaixo de 90 graus – um ângulo de assento maior é recomendável, por exemplo 120 graus. Assentos de carros deve ser ligeiramente inclinados para trás, a fim de extender os quadris. > Por favor, note que estas são apenas sugestões para minimizar o desconforto (dor). Seu cirurgião e equipe de reabilitação podem ter mais recomendações e você deve ouvi-los com cuidado.

RISCOS E COMPLICAÇÕES DA ARTROSCOPIA DO QUADRIL POTENCIAIS

Toda cirurgia traz riscos, apesar de todo esforço que é feito para minimizá-los. As complicações podem ser temporárias ou permanentes. Felizmente, as complicações permanentes após uma artroscopia do quadril são raras. Os riscos incluem os riscos normais de se submeter a uma anestesia geral e os riscos específicos associados as artroscopia do quadril. As complicações foram relatados em até 5% dos pacientes submetidos a artroscopias e são mais freqüentemente relacionados a dormência temporária / sensação alterada na virilha e genitália. Isto é devido a uma combinação de distracção da articulação do quadril e da pressão sobre os nervos na virilha, no momento da cirurgia. Isto é incomum e, embora haja um risco teórico de que esta dormência possa ser permanente, na maioria das vezes o quadro se recupera completamente dentro de poucos dias. Outras complicações podem incluir: úlceras de pressão e a formação de bolhas, infecção, fratura, um aumento da dor, impotência, sangramento, paralisias dos nervos, trombose venosa profunda, quebra de instrumentos, necrose avascular da cabeça femoral, o extravasamento de irrigação fluido, principamente para cavidade abdominal, cicatrização retardada e a exacerbação dos sintomas. No entanto, muitas destas complicações são extremamente raros. Por exemplo, a taxa exata de infecção após a artroscopia do quadril é desconhecido, mas certamente parecem ser menores do que 1 em 1000.

Fields marked with an * are required
  • Compartilhe

WhatsApp chat